19/10/2007

O ressurgimento de inimigos vencidos no passado

Queridos amigos:

Como eu escrevi na última mensagem, é meu desejo meditar sobre a nossa batalha espiritual, usando a porção das Escrituras em Juízes 4 e 5 como uma figura, buscando extrair dela as lições e os princípios espirituais à luz do Novo Testamento.

Que o Espírito do Senhor abra os olhos do nosso coração, revelando a sua vontade específica para cada um de nós em nossa batalha espiritual.
"Os filhos de Israel tornaram a fazer o que era mau perante o Senhor, depois de falecer Eúde. Entregou-os o Senhor nas mãos de Jabim, rei de Canaã, que reinava em Hazor. Sísera era o comandante do seu exército, o qual então habitava em Harosete-Hagoim. Clamaram os filhos de Israel ao Senhor, porquanto Jabim tinha novecentos carros de ferro, e por vinte anos oprimia duramente os filhos de Israel”. (Jz. 4:1-3)

Essa porção das Escrituras descreve um dos cativeiros mais terríveis experimentados pelo povo de Deus no tempo dos Juízes. A sua causa, como dos demais, foi porque “tornaram a fazer o que era mau perante o Senhor”. Ou como nos diz uma passagem paralela em I Samuel 12:9, “esqueceram-se do Senhor seu Deus”! Viraram as costas para Aquele que um dia os havia libertado da terra da escravidão e dado a eles a terra da promessa. O desejo do Senhor era que sempre o Seu povo experimentasse a vitória e a plenitude da Sua benção nessa terra. No entanto, para que isso fosse uma realidade, deveriam ter feito do Altíssimo a sua morada (Sl 91:9).

Que contradição! Estavam sendo escravizados novamente, e dentro da terra da promessa.

Não seria o mesmo caso muitas vezes com o povo de Deus hoje? Deus “nos libertou do reino das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Col 1:13). O Seu Filho veio para nos dar vida e vida em abundância (Jo 10:10). Ele é a nossa boa terra, a nossa herança. Somos mais que vencedores por meio dEle. Entretanto, muitas vezes, mesmo depois de sermos libertos, nos achamos debaixo de algum jugo, vivendo uma vida totalmente derrotada, infrutífera, não experimentando da realidade das riquezas que Deus nos deu em Cristo Jesus.

Quem era esse opressor do povo de Deus? Qual era a sua cidade? Quem era o seu comandante e onde ele habitava? Muita luz nos é trazida quando consideramos a resposta a cada uma dessas perguntas. Muitas figuras e muitos exemplos nos foram deixados pelo Espírito Santo registrados nas Escrituras. Como nos é dito em 1 Cor 10:11, “Estas cousas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado.”

Nessa passagem do livro de Juízes aparece o terceiro opressor do povo de Deus, o rei Jabim. Surpreende-nos o aparecimento desse rei nesse momento da história de Israel. Já havia passado mais de cem anos desde que Israel, com a liderança de Josué, tinha experimentado uma total vitória sobre ele. A espada de Josué havia derrotado a esse rei e a todos os moradores da cidade de Hazor (Js 11:10-11). Além de Josué destruir a todos, não deixando nenhum sobrevivente, Hazor foi totalmente queimada. Plena vitória sobre o inimigo!

Quem poderia imaginar que um dia esse mesmo inimigo ressurgiria? Parecia impossível. Entretanto, esse mesmo rei é reavivado. Ainda que não fosse a mesma pessoa, - Jabim era um título, assim como Faraó - surge a mesma figura. E ainda aparece com o seu poder intensificado. Quando Josué venceu a Jabim, ele queimou os seus carros porque muito provavelmente eram de madeira. Mas agora Jabim vem com muitos carros, não de madeira, mas de ferro! (Js 11:9 e Jz 1:3) Aquele inimigo que uma vez havia sido derrotado e totalmente jubjugado, surge novamente e passa a oprimir duramente aqueles que no passado foram vitoriosos sobre ele.

O povo que uma vez entoou o cântico da vitória sobre o inimigo, agora derrama suas lágrimas por causa da dura opressão debaixo do jugo daquele que havia sido desbaratado. Humilhante, mas era a realidade do povo de Deus. Isso tudo constitui uma solene advertência para nós. O ressurgimento desse rei nos lembra uma verdade importante na nossa vida cristã e que nunca poderíamos esquecer:

Vencer algum inimigo espiritual no passado, não garante que nunca mais ele voltará a perturbar-nos!

Nunca pense que por ter vencido, por exemplo, um pecado ou alguma fraqueza na sua vida, que aquele pecado ou essa fraqueza nunca mais o perturbará. Seria um engano pensar assim. Infelizmente, durante a minha caminhada na vida cristã, tenho observado muitos de nós, filhos de Deus, depois de termos experimentado plena vitória sobre o pecado em nossas vidas, voltamos a ser escravos daqueles mesmos pecados. Alguns, quando creram no Senhor experimentaram grande livramento de pecados escravizadores, e viveram na vitória por muitos anos, mas se deixaram enfraquecer no Senhor e voltaram a ficar debaixo do mesmo jugo que uma vez havia sido quebrado.

Precisamos nos lembrar de que em nossa carne não habita bem algum (Rm 7:18). Se não estivermos habitando em Cristo, sendo fortalecidos pelo seu poder em nosso homem interior, daremos ocasião à carne e todas as suas obras (Gl 5:19-21) poderão se manifestar outra vez em nossas vidas. Que o Senhor nos ajude e nos guarde!

Esse Jabim ressurge em Hazor, uma cidade no território de Naftali (Js 19:36), e ali faz o seu quartel general.

O nome Naftali significa “vencer”, “vitória na peleja” ou “prevalecer na luta” (Gn 30:9). E exatamente nessa tribo que “vence na batalha” ressurge o inimigo. Não bastava ter o nome de vencedor. Era necessário ter a realidade de vencedor. Da mesma forma conosco: não basta dizermos que somos mais do que vencedores. É necessário ter essa realidade nas nossas vidas. Paulo orou a favor dos irmãos em Éfeso para que Deus os fortalecesse com poder, mediante o seu Espírito no homem interior. Precisamos desse fortalecimento interior, necessitamos permanecer em Cristo! Do contrário, quando os nossos inimigos surgirem, mesmo que sejam aqueles que foram vencidos no passado, acabarão por levar vantagem sobre nós. A carne nunca envelhece, nunca enfraquece. O mundo sempre estará buscando nos seduzir. E o diabo nunca se cansa, mas sempre anda em derredor procurando alguém para devorar (1 Pd 5:8).

Jabim significa, “sabedoria ou entendimento” e Hazor significa “fortaleza”. Ambos representam a sabedoria desse mundo, que é terrena, animal e diabólica (Tiago 3:15) e que pode se tornar numa fortaleza para aprisionar o povo de Deus. Mas graças ao Senhor, “as armas da nossa milícia não são carnais e sim poderosas em Deus para destruir fortalezas...” (1 Cor 10:4).

Quando Jabim foi destruído por Josué nos é dito que ele era rei de Hazor (Js 11:1). Entretanto, no seu ressurgimento o seu reino é ampliado e ele é o rei de Canaã. O que dizer do significado do nome Canaã? Terra baixa, ou comércio! Isso nos aponta para as coisas terrenas, em oposição às coisas celestiais. Fala-nos dos interesses terrenos, da busca pelos próprios interesses, de toda preocupação com as coisas aqui da terra (Col 3:1-2).

Todo esse quadro nos mostra o perigo de cairmos no jugo da nossa carne. E na verdade, o lado mais baixo da nossa carne. Quão tirana é a nossa carne. Quão poderosa ela é. Passaram-se os “mais de cem anos”, mas eis que ela surge com mais força ainda. Com poder intensificado, com seus “900 carros de ferro”! Oh, meus queridos, quem poderá com sua própria força sair debaixo desse cativeiro? Impossível! Assim como era impossível para Israel vencer a Sísera e seus carros de ferro, também é impossível para o cristão, em si mesmo, sair debaixo desse cativeiro. Somente uma intervenção celestial pode livrar-nos de tão grande opressor.

A única coisa que podemos fazer por nós mesmos é cair nesse cativeiro. Como é fácil voltar a ser dominado por toda sorte de coisas terrenas, carnais! Basta nos afastarmos do Senhor e não fazermos dEle a nossa morada. Será necessário apenas não ter uma santa vigilância e constância em permanecer em Cristo, em confiar na Sua obra na cruz. Esse Jabim e todo o seu reino nos advertem quanto a esse perigo de cairmos no cativeiro produzido pelo lado mais baixo da nossa carne. E sabemos que a base de operação do nosso inimigo é a nossa carne. E uma vez debaixo do cativeiro dela, o inimigo poderá vir a tirar todo tipo de vantagem sobre nós.

Oh, Senhor, ajuda-nos, clamamos a Ti!

A fortaleza de Jabim ter sido levantada bem no território da tribo que tinha o nome que lembrava lutador, vencedor, nos adverte que qualquer cristão está sujeito a essa situação. Qualquer um pode ser derrotado caso não exista vigilância. Como nos lembra a Palavra: “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia” (1 Cor 10:12). Não há forte, não há valente fora de Cristo. Ainda que alguém seja considerado um homem espiritual, maduro, crescido no Senhor, ele também estará sujeito ao fracasso se não vigiar e manter-se escondido em Cristo! Temos vários exemplos negativos disso no meio do povo de Deus.

Mas ainda que tenhamos caído no cativeiro de Jabim, das coisas terrenas, da sabedoria desse mundo, da busca dos nossos próprios interesses, dos interesses da carne, há esperança de livramento. Assim como o povo de Israel experimentou o livramento desse tão terrível opressor, assim também todo filho de Deus, que tenha caído em cativeiro, tem no Senhor o livramento. E no exemplo de Débora e Baraque, temos a indicação de como o Senhor provê o livramento.

A convocação para a batalha contra esse opressor será feita! E aqueles que atenderem a essa convocação experimentarão a vitória, porque quem a faz é o Senhor da Glória, o Todo Poderoso, e é Ele mesmo quem vai à frente do seu povo. Aleluia! Glória a Deus! Ele também nos convoca à batalha. Não haverá opressor que resista o Seu braço de poder!

Se o Senhor permitir, consideraremos numa próxima postagem o caminho da vitória, a libertação do cativeiro e quais foram as condições para que o povo de Deus a experimentasse.

Por ora é isso.

Que o Senhor possa guardá-lo de cair em cativeiro tão terrível como o que nós temos tratado aqui. E se porventura, você que acaba de ler essa mensagem esta se sentindo debaixo da opressão de algum cativeiro espiritual, saiba que há esperança de libertação. Em Cristo você é mais que vencedor! Como o povo de Israel fez, faça você também: “Clamaram os filhos de Israel ao Senhor...” A sua libertação começa aqui: CLAME AO SENHOR!

Em Cristo, aquele que nos conduz à vitória!

BP

================

Abaixo seguem os links para as demais postagens dessa série:

Batalha espiritual

O ressurgimento de inimigos vencidos no passado

O primeiro passo no caminho da vitória

A Palavra de ordem do SenhorExperimentando plena vitória

O Cântico de vitória e os vencedores

E não foram à guerra...

Recebendo benção ou maldição

Comente com o Facebook:

6 comentários:

Anônimo disse...

Amén hermano, es por eso que es tan necesario que los hermanos nos estimulemos los unos a los otros en amor, cada día; esta resistencia al enemigo y toda nuestra vida en Cristo es corporativa;el fortalecernos en el hombre interior es también corporativo.Cuando perdemos la conciencia de que no somos hombres individuales surge la soberbia, y de ahí a un paso seremos humillados; ningún hombre solo puede contra el enemigo, más en Cristo somos un gran hombre, en quien está la victoria. Un abrazo hermano Billy y a todos los hermanos que que están pasando por esta esquina de comunión.
Sandro
Chile

Anônimo disse...

Sim, precisamos permanecer sempre na vitoria de Nosso Maravilhoso Salvador Jesus Cristo esperando inteiramente na graça que nos está sendo trazida na Sua propria revelação.
Ricardo Campos
BH

Alberto disse...

Gloria a Deus !
temos a Cristo como nossa vitoria!
Deus te abençoe pela mensagem abençoada que nos leva a meditar e considerar os nossos caminhos.
Deus te abençoe!
Alberto
23/10/07

Missionária Maria Luiza disse...

A paz querido irmão....Tá uma benção esse seu blogg...temos quee star sempre vigilantes pois os nossos sentimentos contrários a vontade de Deus, que pertencem a velha criatura, sempre querem renascer, mas temos sempre que confiar em DEUS, para que isso não aconteça e nós prossigamos em conhecer a Deus...Que Deus ocntinue lhe inspirando...
visite também o meu blogg.
missionáriamarialuiza.blogspot.com

BP disse...

A paz do Senhor seja com você também irmã Maria Luiza!
De fato toda nossa confiança e descanso devem estar no Senhor Jesus e na Sua obra na cruz em nosso favor. Ele é Aquele que venceu e abriu o caminho de vitória para nós!
Saudações no precioso nome do Senhor!
Obrigado pelas palavras de encorajamento.

niniiiiiiiiiiiiiiiiiiii's blog disse...

boa noite!
e ai,Billy,belezinha!?
aki é pamela,filha do irmão roberto,do rio de janeiro.
ele pediu pra eu escrever mandando lembrancas e um grande abraço...e dizer q te ama mto!
mande noticias assim q puder.
se kizer, pode mandar email: pamdornellas@hotmail.com
q sempre q receber mensagens suas, farei chegara ele bem depressa.
fica na paz!